Instituto Brasileiro de Museus

Museus Ibram Goiás

Museu de Arte Sacra da Boa Morte comemora 50 anos

publicado: 04/10/2019 11h11, última modificação: 12/11/2019 17h47

Museu de Arte Sacra da Boa Morte Comemora 50 anos

O Museu de Arte Sacra da Boa Morte está localizado no centro histórico de Goiás e é gerido pelo Instituto Brasileiro de Museus – Ibram. No seu passado, o edifício, inicialmente, foi construído para abrigar uma Igreja para Santo Antônio de Pádua em 1779. Devido a proibição real de edificações religiosas pertencentes a militares, foi doada à Confraria dos Homens Pardos da Boa Morte que em 1792 concluiu a edificação em homenagem a Nossa Senhora da Boa Morte. O edifício é único na cidade, por conter características barrocas.   Foi tombado pelo IPHAN em 1951 e ganhou a função de Museu em 1969.

Em 22 de dezembro de 1968, a convite de Dom Tomaz, foi realizada no Salão Nobre da Cúria a primeira reunião para tratar da criação oficial do novo museu, discutindo-se o nome que lhe seria dado, a sua montagem e a formação do Conselho que o representaria. Estiveram presentes Dom Tomaz Balduíno, Monsenhor Angelino Fernandes Fernandes, Frei Simão Dorvi, Profª Regina Lacerda, Profª Goiandira do Couto, Sra. Antolinda Baia Borges e Sr. Elder Camargo Passos.

Após diversas reuniões, ficou decidido que o Museu seria aberto oficialmente no dia 04 de outubro de 1969, durante a festa de Nossa Senhora do Rosário. A curadoria da exposição foi montada pela Profª Goiandira do Couto, artista plástica e membro do Conselho do Museu. Ficaram responsáveis também pela abertura do Museu e atendimento ao público Elder Passos e Antolinda Borges.

Seu acervo é constituído por mais de 900 peças. Entre elas, artes sacras e objetos religiosos e indumentária. Destaca-se as peças de arte sacra feitas por José Joaquim da Veiga Valle, um dos maiores santeiros do Brasil produtor das mais belas imagens sacras do país.

Destaca-se a importância deste Museu para a cidade, uma vez que ele está inserido nas principais atividades culturais do município. É de suas portas que anualmente, na quarta-feira santa (Semana Santa), sai a procissão do Fogaréu. Há ainda as procissões e outros eventos culturais/religiosos que utilizam do acervo do Museu para ocorrer, mostrando assim, a relevância deste museu para a comunidade.

Em 2009 foi incorporada à estrutura administrativa do Instituto Brasileiro de Museus. Como resultado o Ibram passou a investir e gerir o espaço museológico, possibilitando um quadro efetivo de profissionais para garantir a preservação e difusão dos bens culturais musealizados. Nesse período, foram realizadas ações emergências de restauração, acondicionamento, documentação e inventário do acervo.

Em 2018 o Museu de Arte Sacra da Boa Morte, recebeu um público recorde, 13744 visitantes passaram pela instituição. Até a data de hoje, 25 de setembro, o Museu, já foi visitado por, 12912 pessoas, tornando ele um dos museus mais visitados da Cidade de Goiás. Além do cuidado com o público, o Ibram, nos últimos 12 meses, investiu R$ 392.303,00 (Trezentos e noventa e dois mil com trezentos e três reais), utilizado para a remuneração dos colaboradores, pagamento de água, luz, telefone, bem como, para a dedetização, revisão elétrica, manutenção e prevenção de riscos, incêndios e pânico.

Hoje, em 2019, o Museu de Arte Sacra da Boa Morte, afirma sua importância para Goiás. Com um corpo técnico composto por 14 profissionais formados em Museologia, História, Administração, Artes e Arquivologia desenvolvem ações voltadas para o público escolar, a comunidade local e os turistas que visitam a Cidade de Goiás, Patrimônio Cultural da Humanidade. Vale lembrar que este Museu possui o certificado de conformidade do corpo de bombeiros, emitido em julho deste ano. Uma prioridade de todos os Museus, vinculados ao Instituto Brasileiro de Museus.

Em comemoração aos seus 50 anos, o Ibram prepara uma série de ações voltadas para a preservação e popularização do Museu de Arte Sacra da Boa Morte. Entre elas, o lançamento do website < museusibramgoias.museus.gov.br >, a digitalização e disponibilização do acervo na plataforma Tainacan, atualização do Plano Museológico e o Plano de Gerenciamento de Riscos. Além disso, para os próximos meses, as obras do Veiga Valle passarão por um processo de higienização, bem como, será aberta a porta central do Museu o que facilitará a visitação do público.

Atualmente, foi colocado em exposição oito registros materiais das peças que sobreviveram ao incêndio de 1921, da antiga Igreja de Nossa Senhora da Boa Morte.

O Museu de Arte Sacra da Boa Morte é aberto ao público de terça a sábado das 8:00 às 17:00 horas e domingo e feriados 8:00 às 12:00 horas. Seu ingresso é de R$ 4,00 (inteira) e R$ 2,00 (meia), estudantes, idosos e moradores da cidade são isentos.