Instituto Brasileiro de Museus

Museus Ibram Goiás

Museu de Arte Sacra da Boa Morte

O Museu de Arte Sacra da Boa Morte está localizado no centro histórico de Goiás. Seu acervo é de propriedade da Diocese de Goiás e gerido pelo Instituto Brasileiro de Museus desde 2009. No seu passado, o edifício, inicialmente, foi construído para abrigar uma Igreja para Santo Antônio de Pádua em 1779. Devido a proibição real de edificações religiosas pertencentes a militares, foi doada à Confraria dos Homens Pardos da Boa Morte que em 1792 concluiu a edificação em homenagem a Nossa Senhora da Boa Morte (MASBM, 2009, p. 9). O edifício foi tombado pelo IPHAN em 1951 e ganhou a função de Museu em 1969. Em 2009 foi incorporada à estrutura administrativa do Ibram.


Destaca-se a importância deste Museu para a cidade, uma vez que ele está inserido nas principais atividades culturais do município. Segundo seu plano museológico(MASBM, 2009, p.10): “Da sua porta principal sai, na Quarta-feira de Trevas (Semana Santa), a procissão do Fogaréu, maior atração turística da cidade de Goiás”. Há ainda as procissões e outros eventos culturais/religiosos que utilizam do acervo do Museu para ocorrer, mostrando assim, a relevância deste museu para a sociedade.


Seu acervo é constituído por mais de 900 peças. Entre elas, artes sacras e objetos religiosos, prataria e indumentária. Inicialmente, foi adquirido através de compra de 20 peças de um antiquário feita por Dom Cândido, com seu falecimento, as coletas continuaram, mas desta vez pelo seu substituto, Dom Abel Camelo. Destaca-se as peças de arte sacra feitas por José Joaquim da Veiga Valle, este é “único museu brasileiro a possuir peças suas, por ocasião das comemorações do centenário de sua morte”(MASBM, 2009, p.12).

Missão

O Museu de Arte Sacra da Boa Morte – MASB tem como missão prestar serviços à sociedade através da valorização e reconhecimento do patrimônio material e imaterial sacro cristão, enfatizando as contribuições dos diversos segmentos religiosos presentes neste processo, visando contribuir para o desenvolvimento sociocultural do país e para a promoção da dignidade humana, da universalidade do acesso e o respeito à diversidade cultural e religiosa.