Instituto Brasileiro de Museus

Museus Ibram Goiás

Exposição [Virtual] Cotidiano dos Museus em Tempos de Pandemia

Esta exposição virtual foi produzida durante o isolamento social devido a covid-19.

publicado: 19/05/2020 17h34, última modificação: 19/05/2020 18h58

Esta exposição foi produzida durante o isolamento social devido a covid-19. Todas as pessoas que trabalham nos museus enviaram registros fotográficos de antes e durante a pandemia. Para tal, a exposição virtual foi divida em diversos módulos e narrada por poesia. De forma simples e sem pretensão, queremos registrar o silêncio, o trabalho, o cuidado, o carinho, a vida e a saudade dos nossos museus que mesmo com as portas fechadas, continuam com seu coração pulsando.

Ficha Técnica

Curadoria Coletiva e registros fotográficos

Adriana Ribeiro Da Silva, Adrielle Gomes, André Avelino Da Silva, Cleimar Alves Da Silva,  Denize Francisco De Castilho, Djari Pereira,  Etheila Oliveira, Luiz Otávio Pereira, Euler José Leite, Franciely de Souza Silva, Gizela Dias Da Silva, Hugo César De Freitas Oliveira, João Chaves Da Costa,  Laura Batista Cascalho Fonseca, Laura Batista Cascalho Fonseca, Lazinho Antônio Tavares,  Maria Anali Rodrigues Siqueira,  Maryna Lima,  Milena Bastos Tavares,  Rodrigo Dias De Azeredo,  Ruan Marciano,  Ruth Vaz,  Saulo Daniel Craveiro Da Luz,   Tatielle Brito Nepomuceno,  Télio Onofre,  Tony Boita,  Valdimari Domingas Fabino Arrais,  Vando Rodrigues Da Cunha, Waldim Jesus Abreu, Waldir Alves De Souza,  Wariane De Faria Machado, Welly Porte Teixeira e  Wilson Dos Reis Brito.


Módulo I – A solidão

MEU DESEJO (Leodegária de Jesus)  

 Não quero o brilho, as sedas, a harmonia
Da sociedade, dos salões pomposos,
Nem a falaz ventura fugidia
Desses festins do mundo, tão ruidoso!
Prefiro a calma solidão sombria,
Em que passo meus dias nebulosos; Sinto-me bem, aqui, à sombra fria Da saudade de tempos mais ditosos.
Eu quero mesmo, assim, viver de lado, Das multidões passar desconhecida, Me alimentando de algum sonho amado.
Nada mais quero, e nada mais aspiro: Teu casto afeto que me doira a vida, Meus livros, minha mãe e meu retiro.


Módulo II – Portas e Janelas

Emergência (Mário Quintana)

Quem faz um poema abre uma janela.
Respira, tu que estás numa cela
abafada,
esse ar que entra por ela.
Por isso é que os poemas têm ritmo —
para que possas profundamente respirar.
Quem faz um poema salva um afogado.


Módulo III – O trabalho

O Trabalho (Olavo Bilac)

Tal como a chuva caída
Fecunda a terra, no estio,
Para fecundar a vida
O trabalho se inventou.

Feliz quem pode, orgulhoso,
Dizer: “Nunca fui vadio:
E, se hoje sou venturoso,
Devo ao trabalho o que sou!”

É preciso, desde a infância,
Ir preparando o futuro;
Para chegar à abundância,
É preciso trabalhar.

Não nasce a planta perfeita,
Não nasce o fruto maduro;
E, para ter a colheita,
É preciso semear…


Cuidado e Carinho

Ainda não (Cora Coralina)

I

Ainda não…
É a espera.
Afirmação
do tempo que vai chegar
no tempo que está passando.

II

Ainda não…
É a promessa.
Certeza
do tempo de querer
no tempo que vai chegando.
A mulher é a terra —
terra de semear.

III

Ainda não…
O tempo disse dormindo:
Por que esperar?
Plantar, colher
no amanhecer.
Não retardar o instante
maravilhoso da colheita.

IV

Veio o semeador,
semearam juntos
e colheram
o encantamento do fruto.
Lamentaram juntos
Retardamos tanto… no tempo.



Módulo – A vida

Assim Eu Vejo a Vida (Cora Coralina)

A vida tem duas faces:
Positiva e negativa
O passado foi duro
mas deixou o seu legado
Saber viver é a grande sabedoria
Que eu possa dignificar
Minha condição de mulher,
Aceitar suas limitações
E me fazer pedra de segurança
dos valores que vão desmoronando.
Nasci em tempos rudes
Aceitei contradições
lutas e pedras
como lições de vida
e delas me sirvo
Aprendi a viver.


Saudade

Sentimento urgente (Clarice Lispector)

Saudade é um pouco como fome
Só passa quando se come a presença
Mas, às vezes, a saudade é tão profunda que a presença é pouco
Quer-se absorver a outra pessoa toda
Essa vontade de um ser o outro para uma unificação inteira
É um dos sentimentos mais urgentes que se tem na vida.